Itapem tem avançado na solução da questão do saneamento, apesar dos problemas

 

O trabalho intenso que tem sido feito na cidade de Itapema para que não haja desabastecimento de água e que a rede de esgoto garanta o tratamento exigido pela Legislação, ainda esbarra em problemas que fogem da alçada da administração do município e da empresa responsável pelos serviços de água e esgoto. Se por um lado a falta de água já não preocupa – mesmo com fluxos impressionantes, como o da virada de ano, com cerca de 500 mil pessoas vendo 2018 nascer em Itapema, o esgoto clandestino ainda é um transtorno.

Todo esgoto pode, sim, ser lançado em corpos hídricos, desde que tratado corretamente, com eficiência, na forma do licenciamento e nos rigores da lei. O que já vem sendo feito pela CONASA – Águas de Itapema a partir da sua moderna e eficaz estação de tratamento de esgoto. A empresa, que tem levado muito a sério o compromisso firmado junto à Prefeitura de Itapema e a todos os seus munícipes, assegura o processo de esgotamento sanitário correto já para 74% da população da cidade. A previsão é de que até 2020 atenda a 100%.

Até lá, a FAACI (Fundação Ambiental Área Costeira de Itapema) segue no seu compromisso de alertar para a obrigatoriedade dos proprietários de imóveis de se conectar à rede coletora específica, quando disponível. Caso contrário, identificar ligações irregulares de esgoto, exigindo a instalação individual de fossa, filtro e sumidouro.

Entretanto, para que os resultados sejam realmente percebidos, é preciso a evidente e indiscutível colaboração de todos os municípios banhados pelas águas do Rio Perequê. O que se tem visto com frequência é o lançamento clandestino de efluentes sem tratamento algum, manchando as águas dos rios e do mar, assim como a imagem do privilegiado cenário do litoral Norte de Santa Catarina.

Em recente trabalho de pesquisa feito pela CONASA – Águas de Itapema, amparada em imagens aéreas, foram identificados os vários pontos de lançamento de esgoto clandestino, responsáveis por mudar as características naturais do Rio Perequê. Entre eles, a saída na Rua 462, onde as águas pluviais sofrem intensa contaminação do esgoto irregular. Da mesma forma, a galeria pluvial às margens da BR 101, logo após a ponte, onde há grande incidência de material inorgânico, como óleos e graxas. O que altera consideravelmente a cor das águas que ali correm e prejudica drasticamente as características naturais do Rio Perequê – que é justamente o divisor entre os municípios de Itapema e Porto Belo.

 

Um dos problemas mais importantes está na saída da Lagoa do Café Pinhão, em Porto Belo. Mas outros pontos de lançamento de esgoto bruto são observados na área urbana da cidade vizinha a Itapema – como o lançamento pluvial da Atílio Fontana e na Lagoa Governador Celso Ramos. Tudo isso direcionado ao Rio Perequê, que segue seu rumo em direção ao mar, comprometendo seriamente a balneabilidade em áreas específicas. O que, infelizmente, deixam pontos das praias impróprios para banho.

Seja o primeiro a comentar no "Itapem tem avançado na solução da questão do saneamento, apesar dos problemas"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


*


Facebook